O Rio Grande nasce na Serra da Mantiqueira, em Bocaina de Minas (MG) e percorre 1.306 km até o Rio Paranaíba, formando o Rio Paraná. O Rio forma a divisa natural de São Paulo com o Estado mineiro, a partir do município de Claraval. O Rio é reconhecido nacionalmente pela sua força responsável pela geração de 7.640 MW, ou cerca de 13% do total da bacia do Rio Paraná, que tem uma capacidade instalada de geração de energia hidrelétrica de 38.660 MW, equivalendo a quase 64% do total do país. No Rio Grande, em cascata estão as usinas de Camargos, Itutinga, Funil, Furnas, Mascarenhas de Moraes, L. C. B de Carvalho, Jaguara, Volta Grande, Porto Colômbia, Marimbondo e Água Vermelha, de montante para jusante.
Rico em peixes como Dourados, Surubins e Lambaris, além de minérios e pedras preciosas, o rio é um importante fator de desenvolvimento local. Em uma área marcada pela forte atividade agrícola e pecuária, o turismo é outra grande fonte de recursos, atraindo turistas de todo o país buscando belas paisagens, lagos, escarpas e as estâncias hidrominerais ao longo do mineiro Rio Verde (afluente do Rio Sapucaí localizado nas cabeceiras da Bacia Platina, a segunda maior da América do Sul), de onde jorram algumas das melhores águas minerais do mundo. Na piscicultura, as unidades ambientais da Cemig, em Volta Grande e Itutinga, realizam peixamentos regulares.